quinta-feira, 23 de abril de 2015

Duas horas em breve.
                Estás deitada, talvez.
Na noite,
                como um Oka de prata
                             a Via Láctea corre.
O tempo é meu, e os relâmpagos
               que eram meus telegramas,
não mais te virão
               despertar,
                                 atormentar.
Como se diz:  encerra-se o incidente.
A canoa do amor
               foi-se quebrar de encontro ao quotidiano.
Eis-me quite contigo.
               E é inútil o passar em revista
penas,
               azares,
                                 e recíprocas feridas.
Vê,
               que paz no universo.
A noite
                impôs ao céu
                                  a servidão de tantas
                                                  tantas estrelas.
Chegou a hora
                em que a gente se ergue e em que fala
aos séculos,
                à História,
                               ao universo...


vladimir maiakowski
autobiografia e poemas
trad. carlos grifo babo
presença
1974
Hoje eu estou cansada de gente que trata cachorro como gente. De gente que trata gente como cachorro. Estou cansada de gente que confunde aparência com felicidade. De gente que não se conforma. De gente que é conformada demais. Hoje eu estou cansada de ser gente. De ser eu. De ser.

Nenhum comentário:

Postar um comentário