sábado, 17 de dezembro de 2016

"PEC 55 torna letra morta a Constituição e asfixia direitos sociais"

"Para o professor de economia da Unicamp Eduardo Fagnani, a aprovação do congelamento de investimentos públicos significa que "quem vai pagar o pato são os deserdados, penaliza-se os pobres"".
                                                        

É assim que tenho me sentido... não infinita, confusa.



Homem infinito, 2011
Braga Tepi (Brasil, 1972)
metal reciclado misto, 145 x 35 x 35 cm

sábado, 10 de dezembro de 2016

PEC 55


"É completamente inapropriado congelar somente o gasto social e atar as mãos de todos os próximos governos por outras duas décadas. Se essa emenda for adotada, colocará o Brasil em uma categoria única em matéria de retrocesso social". 
Resultado de imagem para imagens de mãos atadas

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

lista negra

Estes são os senadores que aprovaram a PEC 55 e que NUNCA mais receberão o meu voto:
PMDB (16)
Dário Berger (SC)
Edison Lobão (MA)
Eduardo Braga (AM)
Eunício Oliveira (CE)
Garibadi Alves Filho (RN)
Hélio José (DF)
Jader Barbalho (PA)
João Alberto (MA)
José Maranhão (PB)
Marta Suplicy (SP)
Raimundo Lira (PB)
Romero Jucá (RR)
Rose de Freitas (ES)
Simone Tebet (MS)
Valdir Raupp (RO)
Waldemir Moka (MS)
PSDB (12)
Aécio Neves (MG)
Aloysio Nunes (SP)
Antonio Anastasia (MG)
Ataídes Oliveira (TO)
Dalírio Beber (SC)
Deca (PB)
Flexa Ribeiro (PA)
José Anibal (SP)
Paulo Bauer (SC)
Pinto Itamaraty (MA)
Ricardo Ferraço (ES)
Tasso Jereissati (CE)
PP (7)
Ana Amélia (RS)
Benedito de Lira (AL)
Ciro Nogueira (PI)
Gladson Cameli (AC)
Ivo Cassol (RO)
Roberto Muniz (BA)
Wilder Morais (GO)
PSD (4)
José Medeiros (MT)
Omar Aziz (AM)
Otto Alencar (BA)
Sérgio Petecão (AC)
PR (4)
Cidinho Santos (MT)
Magno Malta (ES)
Vicentinho Alves (TO)
Wellington Fagundes (MT)
DEM (3)
Davi Alcolumbre (AP)
José Agripino Maia (RN)
Ronaldo Caiado (GO)
PSB (3)
Antônio Carlos Valadares (SE)
Fernando Coelho (PE)
Lúcia Vânia (GO)
PTB (3)
Armando Monteiro (PE)
Elmano Férrer (PI)
Zezé Perrella (MG)
PSC (2)
Eduardo Amorim (SE)
Pedro Chaves (MS)
PDT (2)
Lasier Martins (RS)
Pastor Valadares (RO)
PV
Álvaro Dias (PR)
PRB
Marcello Crivella (RJ)
PPS
Cristovam Buarque (DF)
PTC
Fernando Collor (AL)
Sem partido
Reguffe (DF)

circunstâncias

O que a mídia chama de articulação, eu chamo de conchavo.

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

ANDREI


Este é o Andrei. O terceiro. O que anseia por ser incluído. O que brinca de Lego. O que trouxe movimento. O dos cabelos castanhos. O geminiano. O que gosta de vermelho. O que ama a Chapada. O que me acordou às cinco e cinquenta da manhã do dia das crianças e me perguntou: - Sabe que dia é hoje? O que gosta de correr. O que gosta de se pendurar. O que adora a Luísa. O caçula da casa. O muito querido. O que sorri com os olhos.









sábado, 1 de outubro de 2016

AMANDA



Esta é a Amanda. A intelectual. A que toca piano. A ariana dos repentes. A que fala baixo. A que faz história. A que é boa em montagens e em leitura de instruções. A que gosta do Japão. A que se fantasia desde sempre. A do cabelo azul. A amiga das amigas. A melhor das irmãs. A minha filha querida. A que divide comigo a tarefa de trazer o feminino para a família. A digna de ser amada.













sexta-feira, 23 de setembro de 2016



Educação não se muda por decreto

Aliás, como mudar a educação sem rever os salários achatados dos profissionais do ensino, sem rever a capacitação dos professores, sem investir na infra-estrutura das escolas?Foto
Entre fascínio e fascismo
entre dicionário e dinossauro
entre melenas e verbenas
entre sucesso e suicídio
o verbo salta, se faz carne e sangra

sábado, 3 de setembro de 2016



No blog da Alexandra, essa confissão é um caleidoscópio.

Resultado de imagem para caleidoscópio


Sou aquariana, com ascendente em peixes e lua em aquário. Não caibo em padrões. Não me adapto as regras. Não me curvo. Meu cais – e meu caos – é, desde os 16 anos, o teatro. Sou artista por condição, por condução, por sobrevivência e por sanidade. No teatro jogo nas onze: atuo, produzo, escrevo, ilumino, varro, dirijo... Das coisas que já fiz destaco minhas duas obras-filhas: Aisha e Acauã. Minha vida e minha águia. Amo e sou amada. Meu menino lobo, ou meu lobo menino, meu companheiro, meu parceiro, meu homem, meu amigo. São eles – o teatro, o Lu, a Aisha e o Acauã – que dão sentido a minha loucura. Me lançam e me içam, me inflam e me trazem de volta. Ser mãe é um dos papéis mais difíceis que exerço. E, é também, onde aprendo mais. E agora sou avó, arcanjo Miguel. Chegou de espada em punho, com um sorriso doce, olhos ávidos e lindas bochechas! Tenho muitos amigos. E tenho a Sheila... shei lá! Kiev, 1917. Amor de muito tempo. Tudo o quê eu faço e vivo me faz ser quem eu sou. E assim vou sendo “esta ou aquela, pouco me importa”, mas totalmente eu.

                                Respondo:

"Mas tudo bem
O dia vai nascer
Pra gente se inventar de novo..."

quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Meu time perdeu e foi desclassificado, mas foi o que jogou melhor nos últimos campeonatos. Dentre todos, fez história. Além disso, penso que o juiz roubou em favor do adversário. Continuo torcendo.
Resultado de imagem para juiz apitando fim de jogo clipart

quarta-feira, 31 de agosto de 2016

"Mas tudo bem

O dia vai raiar


Pra gente se inventar de novo"


                                           Cícero



Resultado de imagem para pipas

segunda-feira, 1 de agosto de 2016

Era uma vez

Hoje, furei o dedo numa fagulha de caco
de uma caneca que se quebrou.
Não era uma roca, que pena!
Viver, como digo, dói
e já desde Camões anda o mundo
tão desconcertado quanto obtuso.

Fosse um conto de fadas
A vida se resolvia sem tanta polêmica
sem redes sociais
sem que eu precisasse tanto dessa energia
que agora me falta,
ao fim e ao longo
de mais esse dia.

Fosse um conto de fadas
eu só descansava
à espera de um beijo
que vencesse um mar de heras
que me protegiam.

Mas não.
É a vida.
E mesmo meu dedo doendo
lavo a louça que resta
que é o que me resta
a fazer agora.

Quero deixar registrado, ainda assim,
que a sensatez não substitui
o era uma vez.

Era uma vez
Uma mãe de três filhos
que os amava tanto
quanto é possível ser
ou não ser, eis a questão.
Era uma vez
uma mulher
feliz que era de ser o que é.
Sem ter de fazer luzes ou pilates.
Era uma vez uma esposa
feliz, que inventou
uma receita. É isso.
Era uma vez uma professora
que adorava seu trabalho
 seus alunos
e o prazer que vem
do diálogo sobre o literário.
Era uma vez eu
dedo furado
mas aqui,
negociando com o universo
as agruras da existência.



terça-feira, 26 de julho de 2016

sábado, 18 de junho de 2016

Como ser melhor do que sou
sendo eu
sendo senda
fenda
fenestra
açude?

Como ser melhor do que pude
nestes anos
largos
vagos
perdidos?

Como ser sem ter sido
exata
perpétua
sincera
correta?

Como ser eu sendo certa
sendo outra
sendo colcha
de retalhos de seda
duma fineza
que não se organiza?

Como ser
ainda agora
essa seta que não avança
esse labirinto
esse vão
que vai se abrindo
a medida
que se perde?

Como ainda que seja eu
acorrentado prometeu
vivendo um suplício
homérico
titânico
primevo
ancestral,
posso, ainda,
sem alarde,
aceitar ser parte deste todo
que me repele?

terça-feira, 24 de maio de 2016

"O psicólogo norte-americano, Martin Seligman, fundador da corrente da psicologia positivista, no livro Felicidade autêntica, expressa com ênfase: o homem, aceitando as suas limitações diante da felicidade, esta pode estruturar-se, na interface dos pilares prazer, engajamento e significado. Prazer, em se tratando da situação agradável de quando se consome um bem material que deseja, ou se faz sexo, entre outros aspectos. Já o engajamento é vista como a profundidade de envolvimento entre a pessoa e sua vida. Finalmente, o significado, como uma sensação de que a vida faz parte de algo maior. Salienta também em suas pesquisas, que um dos maiores erros das sociedades contemporâneas é concentrar a busca da felicidade em apenas um dos três pilares, esquecendo os outros. Porém, geralmente as pessoas escolhem justo o mais fraco deles. O prazer. Enfatiza que o engajamento e o significado são elos indispensáveis na vida do ser humano, frente à felicidade."


 http://www.overmundo.com.br/overblog/felicidade-e-consumir


Resultado de imagem para felicidade

segunda-feira, 18 de abril de 2016

2+2 =4

Paulo Maluf + Pastor Feliciano = Sim
Cunha + Tiririca = Sim
Raquel Muniz + Miro Teixeira = Sim

segunda-feira, 28 de março de 2016

Hoje eu queria meu pai aqui, me chamando de shila, falando que essa dor logo vai passar. Hoje eu queria meu pai para conversar sobre política, para rir da crise que não é maior nem menor do que todas as que já atravessamos. Eu queria meu pai lançando uma corda e uma roldana no galho mais forte da árvore majestosa que iria nos lançar sobre o nada no súbito instante em que apreendi sobre o que é ser livre, de repente. Queria meu pai. Queria ouvi-lo dizer que toda mulher é louca, queria ele aqui para ser também, loucamente, parte do que sou. Mas o que sou é  um tecido esgarçado lançado ao vácuo que só captura as lembranças mais remotas. Tudo o que sou, esqueci de dizer-me. Pai, hoje pode ser sempre porque o tempo, essa imprecisão, sobrevoa a memória como poeira na cidade.

domingo, 27 de março de 2016



um vazio cheio de sentido
um passado esvaído
um sentido vazio de passado
um passado passado a limpo
um limbo limpo de sentido
uma limpeza esgarçada
uma lembrança apagada
uma lembrança do limbo
um passado um sentido esgarçado
e eu olhando pra frente
com olhos semi-cerrados

.[..]
Eu vim lá dos cafundós, do Judas
E as mudas de lugar, foi pra eu melhorar, de vida
Mas que vida, que vida
Que vida vou levar, só Deus sabe

Velhas estradas das milongas coloridas

Grandes atalhos dão num beco sem saída
Se eu vim do norte ou lá do sul pouco importará
Leste ou oeste é um faroeste pra poder chegar
[...]
  
                                                                 Rolando Boldrin
Link: http://www.vagalume.com.br/rolando-boldrin/eta-pais-da-america.html#ixzz447N0j5bD
Quem abandona o navio primeiro?

Resultado de imagem para navio afundando desenho

mulheres crianças e o PMDB

terça-feira, 8 de março de 2016



Me deixe ser como sempre
seguir em frente
à luz das estrelas sem servidão.

Me deixe ser novamente,
imensidão   e   semente,
junto ao passado que virá.


domingo, 31 de janeiro de 2016

 
               Eliane Brum afirma que o mundo da gente começa a morrer bem antes de nós mesmos. Meu mundo hoje encolheu um tanto enorme com o falecimento de uma tia que possuía os olhos mais azuis do infinito. Minha tia me amava. Era recíproco.  Muitas vezes estivemos juntas. Ela guardava uma foto da minha filha mais velha dentro da Bíblia. Na última vez que a vi (e dormi na casa dela porque lá também era um pouco a minha casa), comprei flores para ela antes de ir embora. Ela chorou muito e eu disse que voltaria ali ainda muitas vezes, apesar de morar tão longe. Foi a última vez.    

sábado, 2 de janeiro de 2016

Livros de Literatura que Li em 2016


01/01/2016   O jardim da meia-noite Philippa Pearce
02/01/2016   As mil e uma noites Tradução de A. G. & apresentação de Malba Tahan
03/01/2016   O que me faz pular Naoki Higashida
04/01/2016    Julieta Anne Fortier
12/01/2016    Só por hoje e para sempre   Renato Russo
13/01/2016    A Droga da Amizade Pedro Bandeira
13/01/2016    Sejamos Todos feministas  Chimamanda Ngozi Adichie
15/01/2016    O Bangalô   Sarah Jio
29/01/2016    Queria ver você feliz  Adriana Falcão
30/01/2016     Fale!  Laurie Halse Anderson
31/01/2016     P.S.: Ainda te amo  Jenny Han
29/02/2016     O segredo do violinista  Eva Furnari
29/02/2016     Um país chamado infância  Moacyr Scliar
29/02/2016     De fora da Arca   Ana Maria Machado
01/03/2016     As pernas curtas da mentira   Moacyr Scliar
01/03/2016     Cordel adolescente, ó xente!   Sylvia Orthof
05/03/2016     Cadernos de Infância  Norah Lange
13/03/2016     O último segredo    José Rodrigues dos Santos
19/03/2016     Americanah   Chimamanda Ngozi Adichie
02/04/2016     A outra face   Deborah Ellis
03/04/2016     Revolução em mim     E. Kupstas
02/06/2016     A gruta das orquídeas  Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho / Antônio Carlos
03/06/2016     Os colegas de Anne Frank   Theo Coster
04/06/2016     Um dia perfeito para casar  Julia Strachey
10/06/2016     As memórias perdidas de Jane Austen  Syrie James
12/06/2016     Emma  Jane Austen
16/06/2016     Vó Coruja Daniel Munduruku & Heloísa Prieto
25/06/2016     Depois de você Jojo Moyes
26/06/2016     A guardiã dos segredos da família  Stella Maris Rezende
18/07/2016     Kyvaverá  Ivens Scaff
25/06/2016     A vida peculiar de um carteiro solitário   Denis Thériault
14/08/2016     O rio e seu segredo: a pianista que desafiou Mao Zhu Xiao-Mei
15/09/2016     Deus de Caim   Ricardo Guilherme Dicke
22/09/2016     O abraço  Lígia Bojunga
23/09/2016     Não conte para a mamãe  Toni Maguire
24/09/2016     A Escolha  Nicholas Sparks
24/09/2016     O navio das noivas  Jojo Moyes
27/09/2016     A Princesa Vermelha Sofka Zinovieff
09/10/2016     O Terceiro Homem Graham Greene
10/10/2016     A Baía da Esperança  Jojo Moyes
20/10/2016     Uxa: ora fada, ora bruxa  Sylvia Orthof
23/10/2016     Memórias: de Corumbá a Berlim  Mário Calábria
02/11/2016      Longe dos corações feridos  Tanya Oliveira
06/11/2016     O Magneto  Mauro Camargo
11/11/2016      O seminarista  Bernardo Guimarães
12/11/2016      A bibliotecária    Logan Belle
29/11/2016      F de falcão  Helen Macdonald
05/12/2016      Confins  Guamá de Belém
08/12/2016      O anjo inacabado  Sharon Creech
11/12/2016      O violinista de Veneza  Roberto Cabral
18/12/2016      Queda de gigantes  Ken Follet
25/12/2016     Aqueles que amam  Antônio Carlos/ Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho
25/12/2016     Montanha-russa  Fernando Bonassi