quinta-feira, 15 de junho de 2017



  Fui namorada
 oblíqua e dissimulada mas
com olhos de jabuticaba
Resultado de imagem para olhos de jabuticaba

9 comentários:

  1. Brinquei com aquela vela
    Como se fora flores (...)
    Jabuticabas e
    Girassol da Rússia por entre caminhos de trigo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Abri a panela do tempo
      do fim da longa ladeira.

      Entre os sentimentos integrais
      o sabor de outrora:
      memória.

      Excluir
  2. Como em filme de ficção científica
    Morro de medo

    Ouço sons
    Que não tocam em lugar algum

    Muito mais do qu’escrevi

    ResponderExcluir
  3. "Abri a panela do tempo
    do fim da longa ladeira."

    Uma prosa sobre palavras

    Encanta-me a pureza das palavras
    Vê-las nascer de letras espalhadas sobre a mesa da sala
    Encantam-me as letras
    Os sons das letras e das palavras
    Encantam-me os sentidos das palavras
    Os ruídos das sílabas e das línguas
    Nos lábios, dentes e palatos
    Encantam-me os cheiros das palavras
    Os paladares apurados e as náuseas
    Senti-las, na aspereza e na delicadeza
    Encanta-me a força das palavras
    Veiculada, transmitida, irradiada
    Essa força que mora fora da palavra
    E nela habita, inóspita palavra
    Potência e resistência
    Essa é a força da palavra

    (ala parva
    larva lavra
    vala rala
    ara vara
    rapa aral
    varal
    alpavar)

    esse caldo enigmático
    que sai de nossas bocas
    é um milagre

    ResponderExcluir
  4. Em tempo real, now

    Há voltas e re voltas necessárias
    Dédalo arquitetou o labirinto
    Mas voava
    Não tão alto, Ícaro
    Até onde?
    Mas voava

    ResponderExcluir
  5. "Abri a panela do tempo
    do fim da longa ladeira."
    É uma das coisas letras mais lindas que já li

    ResponderExcluir
  6. Como jabuticabas à margem de um rio novo

    ResponderExcluir
  7. Um rio novo jamais envelhece o espelho da memória

    ResponderExcluir
  8. Caramba!
    Destampei o lirismo de Alexandre... eu sempre soube que aquela panela era mágica. Era um caldeirão de palavras. Sopa de letrinhas de outrora no tempero da memória. Saborosíssimo, diria o agregado.
    Sorvi, sincera, esses sons de sopa ou de harpa.

    ResponderExcluir